Mostrar mensagens com a etiqueta fotografias. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta fotografias. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

O que querem dizer os desenhos deles?

É tentador interpretar os desenhos deles. Pelo menos para mim, além de ser tentador é extremamente interessante. Já quando era animadora de festas de aniversário para crianças, quando sugeria que todos desenhassem, ficava deliciada a observar o processo e também as mais variadas explicações que iam dando.  Era nessa actividade que conseguia conhecer os miúdos e era a parte que mais me entusiasmava - a parte de andar a ouvir berros de um lado para o outro e de evitar que se partissem todos não era o que mais me agradava. 

Além de ter uma amiga que teve alguma formação neste sentido e de já me ter sugerido algumas possíveis interpretações para desenhos da Irene - aconteceu naturalmente, não estive a submetê-los para diagnóstico, ahah - no outro dia, quando passei por uma livraria, encontrei um livro que me chamou a atenção:  "A Arte Descobre a Criança" por Eurico Gonçalves (tive de ir ver quem é, mas é um artista com uma carreira muito admirável, caramba, respect!).

Após leitura do primeiro capítulo, quis partilhar algumas dicas que ele nos dá para receber melhor a arte dos nossos filhos. 

1)  Não elogiar em demasia nem mostrar decepção ou tristeza. 

Ui. O que me farto de elogiar a Irene para tudo e mais alguma coisa. Já tinha lido sobre "os elogios" e como torná-los eficazes para ajudar a que se sinta mais segurança, mas confesso que me é difícil não reagir com espanto por estar mesmo espantada. Porém, faz sentido o que o autor diz. A criança é, neste contexto, um verdadeiro artista e "Se, por um lado, a criança sente tristeza perante a indiferença do adulto, por outro lado, acaba por se tornar insensível ao aplauso sistemático". 

2) A criança esquece-se do que desenhou. 

Não vale a pena (nem convém) perguntarmos-lhes o que desenharam e porquê (isto aquando das primeiras manifestações gráficas, quando são mais pequenos, claro). A melhor maneira de tentar perceber o que poderá estar a ser representado através de símbolos pelo pequeno artista será assistir ao processo, sem interferir. Observando e, muitas das vezes, ouvindo porque é habitual falarem durante o processo.

3) O tamanho dos objectos poderá representar maior relação/afectividade.

É frequente ou até expectável que nos primeiros desenhos não haja uma representação realista das pessoas, animais ou objectos. As crianças deixam transparecer ainda a perspectiva mais emocional da realidade. 

4) É normal que expresse muitas vezes o mesmo tema.

Não vale a pena tentar motivar o artista para outros temas. A criança representará o que estiver a ser trabalhado na sua mente e enquanto esse trabalho não estiver finalizado. "A expressão é motivada pelo que mais a impressiona" e "o tema da criança é ela própria", pelo que se desenhar uma piscina durante meses... é perceber que terá tido impacto nela e que está a "resolver". 

5) Cuidado com as perguntas.

Ui. Então eu que estou sempre numa de "dá valor ao que ela produz", tento envolver-me e certamente que sou guilty disto. Fazer as clássicas perguntas "Já pensaste no que vais pintar?", "O que pintaste? faz com que o fluxo normal, autêntico e catártico seja quebrado. Além do que, por ser tudo tão... "o que saiu" à criança, a resposta que ela nos dará será algo "do momento" em que perguntámos e por isso não tão cru como poderia ser o desenho, além de possivelmente parcialmente inibido por ter de traduzir para comunicação verbal e em confrontação directa.  É suposto ser uma actividade espontânea: "... nas actividades espontâneas, como a pintura livre, o tema não é dado, nem imposto (...). Esses limites condicionariam a própria liberdade de expressão, sendo esta faculdade que importa estimular e desenvolver". 

E aqui já entra algo que compreendo: dar espaço para que a criança desperte a sua criatividade. Sendo esta uma característica muito útil a muitos níveis, até a nível pessoal para saber enfrentar o dia-a-dia com outras soluções que vão além do imediato, expressando-se pessoalmente de forma que a faça mais feliz, etc. 

E foi também por isto que me me fez sentido falar da 2ª edição do Concurso de Desenho da Tosta Rica da Cuetara em que o vencedor vai ter o seu desenho nas bolachas a sério ! What? Eu acho que me passaria com isto se fosse miúda. Aliás, mesmo agora! Vai haver um júri que claro que terá em conta a idade da criança quando olhar para o desenho, por isso se ainda só tiverem pequenos girinos aí em casa, não se preocupem que caso haja já miúdos a darem-lhe forte, têm hipóteses. 

Mas, se não forem pessoas com muita fé nisto dos passatempos (eu não era quando participava nestas coisas), há prémios todos os dias. Também vão encontrar o melhor desenho do dia e, mesmo assim, já recebe o prémio espectacular que é ver o seu próprio desenho em bolachas. Uma lata de bolachas personalizado. Ahhhh!!! Quero participar! Não estou a gozar, só me vêm é palermices à cabeça hahah. Vá, seriedade.


https://2.bp.blogspot.com/-aLUyrHIsnoE/WnyeeZrPgjI/AAAAAAAAbjY/2qjtUY45dfEQrTXYa7qFitTO-01bjlsSgCLcBGAs/s640/IMG_0487.jpg


No final do concurso (acaba dia 31 de Março) vai haver uma compilação num caderno com muitos dos desenhos recebidos e que irão ser distribuídos em hospitais, no serviço de pediatria no Dia da Criança. Para além de tudo o que já vos tinha falado da importância do desenho e das crianças quererem ser levadas a sério, ainda há uma vertente solidária... oh!! Falar sobre estas coisas assim dá gosto.

Estive a experimentar participar no passatempo (Schh, não façam essa cara, não era para fingir que era a Madalena de 2 anos, era só para ver se era realmente fácil) e... é só irem (as crianças) ao site e usar o rato para desenhar numa bolacha o que quiserem, depois de um simples log in.

Por isso, toca a ir ao site ou então descarregar a app e fazer esses desenhos lindos.



A Irene agora está louca com a colecção da Ladybug da Tosta Rica da Cuetara (estou zangada com todas as mães que esgotaram esse disfarce de Carnaval porque era o que ela queria) e vai toda vaidosa de vez em quando com as Tosta Rica na lancheira. Passa o dia inteiro a fingir que é a Ladybug ou o Adrien e depois tem bolachas com os desenhos deles. Claro que se passa! É o equivalente a eu ter um par de ténis para estrear diariamente, para aí - tenho de traduzir o entusiasmo da minha filha para ténis para perceber melhor o que ela poderá sentir, ahah. Ah e vocês sabem o jeitaço que dá estarem divididas em saquinhos para não termos que andar a pô-las em tupperwares ou a embrulhar em celofanes e afins para irem no lanche deles.

Adorava saber que tinha sido algum dos vossos filhos a desenhar bolachas! Isso até deveria constar do currículo deles para sempre. :)



Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Já não me doi fazer o bigode!!!!!!!!!!

Quando a maior parte de vocês ler este post já não devem estar publicados os meus stories de ontem em que estive a fazer o buço para quem quisesse ver. Sim, no instagram. Acho que o cansaço está a fazer com que perca (ainda mais) filtros e (ainda mais) noção e nem me questione do que estou a fazer. 

Como escrevi aqui, adorava nunca mais ter buço na vida. Era a minha resolução para 2018 ou a melhor prenda de Natal que poderia ter. E no outro dia a minha sogra - ouvi dizer que apesar de já não estar casada com o filho dela que será "minha sogra" para sempre - aconselhou-me a usar a pomada anestesiante que usei para a Irene não ter dor nas análises ao sangue na zona do buço antes de me depilar.

E sabem que mais? Resultou!!! Há anos!! Há anos que estou em negação relativamente ao bigode central e fazia apenas os cantinhos para não dar aquela cana evidente. Há anos que sempre que alguém me olhava directamente eu fingia tremer de frio para não poderem focar a minha cara ao ponto de ver os pêlos do buço e agora... Estou safa!

Isto para vos recomendar (a cara para xuxu) pomada EMLA que vem com algumas bisnagas e que, a partir de agora, me vai permitir estar toda impecável a nível de moustache. 

Não vou ao cabeleireiro fazer o buço porque digo muitas asneiras e choro muito - tenho vergonha. Agora já está resolviiiidoooo!!

A minha cara de arrependimento depois de me ter exposto daquela forma.
Fotografia: The Love Project.

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Agora comentam a minha roupa?

Jaaaaasus! Tudo bem que algumas de vocês são uns amores lindos e que estão a fazer uma sugestão querida a uma miúda que lêem com frequência na net e que até a acham uma brasa, mas...  isto chegou a todo um novo nível. 

Gente, cada pessoa usa o que mais gosta. Aquilo com que se sentir mais confortável. Ou por ser onde se sente mais confortável, ou onde se sente mais confiante, ou o que estava em saldos e lhe deu na cabeça comprar por ser de uma cor gira... 

Acho que andamos a perder um bocadinho a noção quando comentamos "lá de cima" que determinada pessoa não se sabe vestir. Já não é o primeiro ou segundo post ou terceiro em que comentam a minha indumentária. 

Foi este o último post, jasus! 

Agradeço que me digam que não me favorece, são uns amores, mas "queredo!"! Não me ponham no tapete por causa disso que tenho 31 anos, são 31 minutos e ainda tenho coisas para fazer cá em casa. 

Se aqui a blogger de maternidade se quer vestir com o seu casaco preferido, a saia mais gira que tem no armário e uma camisola lindíssima que sempre que a veste adora ver-se ao espelho... deixem-na estar! 

O que importa é a maneira como nos sentimos com as roupas. O resto é postura. E essa temos a que conseguirmos ter e quando é preciso. 

Deixem lá aqui a blogger de maternidade em paz a sentir-se toda bonita nas fotografias. Mesmo que vocês não usassem as mesmas roupas ou não vos apeteça saltar-me em cima (num bom sentido). 

Pode haver roupa que me fique melhor mas que me deixe desconfortável ou menos vaidosa. Mas a maldade já não me serve tão bem.  Não sou propriamente uma pessoa que goste de ser fotografada e estou linda nestas fotografias. Linda e confiante.

Fotografia: Yellow Savages



Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?

👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Não queríamos que fossem de fim-de-semana sem ver isto.


Muito obrigada à Nicole do nosso grupo de Mães de Março de 2014 que decidiu presentear-nos com esta maravilha. 

A da esquerda sou eu, Joana Gama. Apanhei uma molha à procura da Padaria Portuguesa e, pelo caminho, também apanhei umas botas ortopédicas que ficavam lindamente nas minhas calças de grávida. 

A Joana Paixão Brás, da direita, não quis parar de mastigar o Pão de Deus para a fotografia e ainda devia estar a esconder uma caixinha de Palmiers atrás das costas. Na altura ainda não partilhavamos tudo - e ainda não partilhamos que algo que me diz que o David não teria paciência para mais uma. 

Pronto. Isto éramos nós grávidas da Irene e da Isabel. Nossa primeira gravidez. Sabíamos lá no que iria dar. Foi a primeira vez que vi a Joana também. Foi aqui que nos conhecemos. 

Isto para quem tivesse dúvidas de quem usa calças na relação. :)





Sigam o meu instagram e o d'a Mãe é que sabe :)
a Mãe é que sabe Instagram

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Quando foi a última vez que cuidaram de vocês?

Quando trabalhava em televisão, e tinha menos uma filha, tinha a vida mais facilitada neste sentido. Como fazia reportagem, havia pelo menos uns 3 dias por semana em que chegava cheia de olheiras ao trabalho e meia despenteada e numa hora ficava com aquele ar de que não era nada comigo: maquilhada, penteada e com o ego mais insuflado. Aqueles minutos numa cadeira de olhos fechados entregue às mãos de quem sabe eram um mimo. Não que precise de tudo isso, sempre, para me sentir de bem com a vida (porque por fora podemos estar lindas e por dentro em cacos), mas ajuda-me. Sinto-me mais confiante e isso instala-se de alguma forma em mim e dá-me mais segurança. Gosto de ser mimada. Às vezes basta-me ir lavar o cabelo. Cortar umas pontas. Tirar 40 minutos num mês para mim. Como não tenho tido tempo para ir ao ginásio (que falta me tem feito o meu Scape, Deus Meu!) e muito menos para massagens ou tratamentos mais demorados (adorava, mas não dá), ir arranjar umas unhas ou fazer uma hidratação pontualmente sabe-me pela vidinha. 

Vou sempre à Catarina, do Cut by Kate, que já é o "meu" cabeleireiro em Santarém. Boa pinta, gente simpática, óptimos produtos (para grávidas e para quem está a amamentar, há imensa oferta!, com produtos naturais), e excelentes profissionais. 

Quando foi a última vez que cuidaram de vocês? 
Não percam essa vontade. Pode estar a fazer-vos falta. Pode ser aquele cafuné que vos dá força para mais uma semaninha de más noites e que vos faz sentir: "eu também cá estou".















Fotografias no dia desta sessão em Santarém - The Love Project

Madeixas louras, ondas, maquilhagem - Cut by Kate

 
Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Adeus sanidade mental!

Fui de "fim-de-semana" (1 dia: sábado à tarde até domingo à tarde) com uma amiga minha de há décadas e o filho. E creio que, a meio, me terei despedido da minha sanidade mental. Aquilo que era suposto ser agradável para os miúdos, foi, mas não aconteceu o que tínhamos imaginado que era depois deles irem dormir termos feito uma festa enorme com copos à mistura.

Não. Foi vermos um pouco do espectáculo do Luís de Matos na RTP1 (ele não envelhece? sobrevive a cogumelos do tempo?), partilharmos uma ou duas histórias, eu mostrar como estão descaídas as minhas mamas desde a última vez em que ela as tinha visto (15 anos) e ir dormir. 

Ficam, no entanto, estas fotografias maravilhosas e boas memórias para eles. Espero. 

C.a.n.s.a.d.a.s


Obrigada pelo convite, coisa linda, mas agora preciso de um ano de férias. 

 

 

 

 



 



a Mãe é que sabe Instagram

domingo, 24 de setembro de 2017

Vestidos de domingo para a nova estação? Estes!

Não sei se já conhecem a Cordel, mas eu fiquei rendida. Estes vestidos em piquet com este floral verde suave, as mangas e aquela gola com o pormenor do lacinho com o botão são lindos, lindos! Elas ficaram um espanto. O cenário, na minha bonita cidade de Santarém, resultou tão bem nas fotografias sempre maravilhosas da Joana (The Love Project). Estas vão para uma moldura na minha sala, de certezinha. 

(E estes vestidos são tão bonitinhos que, com umas collants e uns sapatos mais compostinhos, dão perfeitamente para o dia de Natal. Sim, já estou a pensar no Natal. Ahah). <3























Vestidos - Cordel

Camisola e calças da mãe - Ivens

Cabelo e maquilhagem - Cut by Kate

 Fotografias - The Love Project


 
www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram